Vencedores do Concurso Cultural Fronteiras e Mentes Abertas falam sobre experiência na Espanha

0h00

Uma semana na Universidad Europea de Madrid (UEM), na Espanha. Esta foi a experiência dos cinco alunos vencedores no Concurso Cultural Fronteiras e Mentes Abertas, promovido pela Universidade Anhembi Morumbi.

Os estudantes, que tiveram a oportunidade de experimentar  a realidade do ambiente universitário internacional em uma das mais renomadas universidades da Europa, contam como foi a viagem. Confira:

Isabella Consorti Bastos Franco, aluna de Relações Internacionais
“O que mais me chamou a atenção foi a receptividade da universidade, tanto por parte dos membros e coordenadores da área internacional, como pelos professores e funcionários diversos.

Pudemos perceber a forte relação de parceria entre as instituições e a preocupação com o nosso bem-estar. Fomos introduzidos completamente ao estilo de vida que um universitário leva lá. As aulas ministradas foram de grande valia, pois conseguimos perceber o ritmo de estudo dos alunos e coletar algumas curiosidades sobre as matérias, além de praticar o espanhol, um ponto muito importante.

Foi uma experiência irrevogavelmente enriquecedora, na qual houve, além de passeios maravilhosos, um verdadeiro intercâmbio cultural com pessoas de diversos países, já que a UEM tem a característica, assim como a Anhembi Morumbi, de ser internacional e abrir espaço para estudantes do mundo inteiro.”

Jandher Custódio Gomes, aluno de Relações Internacionais
“O intercâmbio foi uma ótima oportunidade para que eu, enquanto aluno de Relações Internacionais e estudante universitário, pudesse aumentar meus conhecimentos sobre os aspectos culturais de outro país. É um conhecimento que, além de prazeroso, vou levar por toda minha vida. O contato com o mundo universitário na Espanha me fez pensar sobre as oportunidades que o mundo e um ensino de qualidade internacional podem oferecer.

Minhas expectativas foram totalmente atendidas. Fiquei muito feliz por ter essa oportunidade gratificante. Fiz amigos, conheci lugares novos, gente nova e outra cultura.

Recomendo a todos que puderem: façam um intercâmbio. O conhecimento serve por toda a vida. A vivência internacional abre a mente e os olhos, para que possamos enxergar as possibilidades que estão além.”

 Da esquerda para a direita: Juliana, Isabella, Gabriela e Jandher
Da esquerda para a direita: Juliana, Isabella, Gabriela e Jandher

 

Juliana da Silva Araújo Roque, aluna de Turismo
“A viagem foi extremamente relevante no tocante à vivência internacional e ao aprendizado, pois agrega valor tanto à nossa vida pessoal como profissional. Durante todo o processo da viagem, contamos com o apoio de ambas as universidades. Elas nos oferecem todo o apoio, informação e infraestrutura necessária para o intercâmbio, além de uma grade específica voltada para cada aluno.

Um ponto bem interessante é que, devido à demanda de estudantes brasileiros, a UEM desenvolveu um curso específico de ‘Espanhol para Brasileiros’, facilitando o aprendizado do idioma.

Diante dessa vivência, posso dizer que estudar fora do país, seja por um semestre ou um ano, é muito importante, pois além das diversas oportunidades profissionais que serão abertas, tanto no Brasil como no exterior, a Universidade oferece suporte durante todo o período de seu intercâmbio.”

Othon Negron, aluno de Comércio Internacional
“Com essa experiência, consegui ter uma ideia de como é viver longe de casa. Hoje me sinto mais preparado para fazer um intercâmbio no futuro, pois a viagem me ajudou a ter mais confiança em mim mesmo.

Além disso, a viagem foi muito importante para a minha formação cultural. Nela, tive a oportunidade de conhecer os costumes que influenciaram a cultura do meu país, a Venezuela, e também saber o que as pessoas no outro lado do mundo pensam, o que me ajudará como profissional da área de Comércio Internacional.

Acho que a viagem valeu à pena e atendeu às minhas expectativas do que é uma universidade internacional. Recomendo a todos os estudantes do curso de Comércio Internacional fazerem o intercâmbio.”