Universidade Anhembi Morumbi é sede para o Global Classrooms São Paulo 2008

0h00
Com o objetivo de simular uma reunião da Organização das Nações Unidas (ONU) para os alunos do Ensino Médio de escolas públicas de São Paulo, a Civitatis com o apoio da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo e a Associação das Nações Unidas – Brasil (ANUBRA) realizaram o 3º Global Classrooms São Paulo, no campus Vila Olímpia da Universidade Anhembi Morumbi.

O Global Classrooms é um projeto mundial criado pela UNA-USA (United Nations Association of the United States of America) e acontece atualmente em 15 países. Consiste em uma oportunidade única para que os participantes compreendam o funcionamento da ONU e desenvolvam habilidades de retórica, negociação e redação de documentos formais.

 A coordenadora do Global Classrooms, Raquel Mozzer, fez a abertura do evento em São Paulo
A coordenadora do Global Classrooms, Raquel Mozzer, fez a abertura do evento em São Paulo

Para a coordenadora do projeto, Raquel Mozzer, o desempenho do aluno após participar do projeto melhora em vários aspectos. “No projeto são passados os conceitos da ONU para que a partir do entendimento do trabalho de um diplomata o aluno possa aplicar isso na sua realidade. Aprendendo negociação, ele melhora suas relações familiares, com os amigos e na escola também se sentem mais motivados a estudar”.

O projeto estimula o conhecimento e a liderança, colocando os estudantes em contato com diversos problemas globais como pobreza, conflitos armados, proteção de refugiados e meio ambiente, ao representarem os interesses de um país, de um grupo ou de uma organização não-governamental. Ao final do projeto, os seis alunos que mais se destacaram ganham uma viagem para New York, nos EUA, com tudo pago para assistir a edição americana do Global Classrooms, na sede da ONU.

 Os alunos participantes durante a execução do Hino Nacional
Os alunos participantes durante a execução do Hino Nacional

O estudante de Direito Jefferson Agrella, que participa do projeto desde sua primeira edição em São Paulo, foi um dos contemplados com a viagem para os Estados Unidos em 2007. “Na minha vida esse projeto foi divisor de águas. Se você souber aproveitar todas as oportunidades que esse projeto traz, pode crescer muito e desenvolver habilidades por meio dos trabalhos do programa. O Global Classrooms é um dos amores da minha vida”.

Na edição de 2008, Jefferson atuou como diretor do Comitê do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. “Como organizador o que mais marca é observar a evolução dos alunos durante os três dias do projeto. A postura desenvolvida por eles no projeto é aplicada no dia-a-dia, sabendo ouvir a opinião dos outros e sabendo expor as suas opiniões de forma mais concisa e objetiva”.

Para o estudante de Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi, Renan Santos Lima, o projeto foi fundamental para escolher a carreira que pretende seguir. Ele também obteve destaque no Global Classrooms em 2006 e foi conhecer a sede da ONU em New York. “É importante a participação dos alunos no projeto mesmo que não queiram seguir uma carreira na área de Comércio Exterior ou Relações Internacionais, pois possibilita o desenvolvimento da consciência de cidadão do mundo, antes de ser cidadão brasileiro”.

 A TV Record produzirá um vídeo-documentário sobre o Global Classrooms São Paulo 2008
A TV Record produzirá um vídeo-documentário sobre o Global Classrooms São Paulo 2008

A TV Record acompanhou todo o processo de desenvolvimento dessa edição do projeto para a realização de um vídeo-documentário sobre a iniciativa e as suas conseqüências na vida dos alunos participantes.

 Fillipe Armelin foi o representante do Global Classrooms na mesa de abertura do evento
Fillipe Armelin foi o representante do Global Classrooms na mesa de abertura do evento

Para o estudante de Sistemas de Informação e atual diretor do Programa das Nações Unidas pelo Meio Ambiente, Fillipe Mariotto Armelin, o projeto é como tirar uma venda dos olhos dos alunos e fazer com que eles vejam a vida como ela é. Ele foi o membro do projeto que integrou a mesa de abertura ao lado do prof. Vírgilio Viana, da Fundação Amazônia Sustentável, Alexandre Battamio, da Merril Lynch, Francine Wey, do Deutshe Bank e Heitor Rezende, da Universidade Anhembi Morumbi.