Professor de Educação Física participa de jogo beneficente ao lado de estrelas da NBA

0h00

O técnico João Padola Monteiro – professor do curso de Educação Física e técnico da equipe de base do EC Banespa e do time masculino de basquetebol da Universidade Anhembi Morumbi – foi um dos treinadores convidados pelo jogador Leandro Barbosa, o Leandrinho, do Phoenix Suns e da Seleção Brasileira, para comandar a sua equipe no Basketball Show – Charity Game Brasil 2009.

O evento, que reuniu astros da Liga Profissional Norte-americana – como Shawm Marion (Dallas Mavericks), Drew Gooden (San Antonio Spurs) e Devin Brown (New Orleans Hornets) – e estrelas do basquete nacional em um jogo beneficente, aconteceu no dia 9 de agosto de 2009, no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro.

João Padola liderou a equipe ‘Amigos de Leandrinho Barbosa’ e conta que no dia do amistoso tudo aconteceu como um jogo oficial da NBA (National Basketball Association) – uma das principais ligas de basquetebol do mundo. “A minha função foi igual a de todos os técnicos de basquetebol. No entanto, o diferencial deste evento está em seu objetivo de divertir o público presente e arrecadar fundos para a Hope Unlimited, uma entidade sem fins lucrativos que resgata e abriga crianças e adolescentes moradores de rua”, ressalta.

 João Padola ao lado do jogador Jefferson William
João Padola ao lado do jogador Jefferson William

 

O público presente no Basketball Show – Charity Game Brasil 2009 se encantou com as várias jogadas de efeito dos jogadores da NBA e do Brasil. A equipe de Leandrinho enfrentou os ‘Amigos de Anderson Varejão’, do Cleveland, e venceu por 116 a 110.

Para o treinador – que foi o primeiro técnico no Brasil de Leandrinho, quando o jogador competia pela Sociedade Esportiva Palmeiras –, o convite foi uma prova de reconhecimento de seu trabalho.

O técnico diz que ver Leandrinho e tantos outros jogadores que já estiveram sob seu comando competir em equipes profissionais – como Michel Nascimento (Alemanha) e Gustavo Lino (Universidade Southern Miss) – traz a ele a sensação de missão cumprida. “Contudo, sei que ainda há muito a fazer para outros meninos e meninas e isso deve ser trabalhado de forma a alcançar o mesmo objetivo. Sempre falo para esses jovens que sonhos não têm tamanho. Então, eles devem sonhar sempre grande”.