Gastronomia aliada a design é conceito vencedor do 3º Concurso Anhembi Morumbi & Colavita

0h00

A tarde do dia 22 de junho foi de grande emoção para docentes, jurados e os dez alunos finalistas do 3º Concurso Anhembi Morumbi & Colavita. Foi quando as cozinhas 6 e 7 do campus Centro serviram de palco para que as cinco duplas preparassem seus pratos e encantassem os profissionais que fizeram parte do júri.

 Os dez alunos finalistas.
Os dez alunos finalistas.

A composição da bancada de júri não poderia ter sido mais elevada. Estiveram presentes Salvatore Loi, head chef do complexo Fasano; Nádia Pizzo, head chef da rede Ráscal; Filomena Chiarella, proprietária do Buttina Restaurante e especialista em culinária italiana; e Pasquale Nigro, proprietário do Pasquale Restaurante, premiado em duas edições da revista Veja São Paulo como melhor cantina da cidade. Como afirmou José Luiz Vianna, representante da Colavita no Brasil, “trouxemos o melhor da ‘Itália no Brasil’ para a banca de jurados. Não podia ser melhor”.

A partir das 11h10, os alunos tomaram as instalações para darem início ao preparo dos três pratos propostos no trabalho teórico – entrada, prato principal e sobremesa. Cada uma das duplas teve 2h40 para a preparação do trabalho. Em seguida, os pratos foram levados um a um aos jurados, que tiveram 10 minutos para apreciar e pontuar de 0 a 10 cada uma das elaborações.

 Público acompanhou a criação dos pratos do lado de fora da cozinha, mas não deixou de provar as delícias preparadas.
Público acompanhou a criação dos pratos do lado de fora da cozinha, mas não deixou de provar as delícias preparadas.

Enquanto os estudantes trabalhavam, os professores chefs Daniel Frenda e Paulo Veríssimo circulavam pela cozinha e avaliavam aspectos restritos à cozinha: limpeza das bancadas, técnicas de preparo, mise-en-place (separação prévia de todos os utensílios e ingredientes necessários para a execução do trabalho), uniformes e inter-relacionamento entre os integrantes das duplas. Para auxiliar os estudantes, dois colegas de curso atuaram como assistentes: Tatiana Durci e César Araguth Tanakai. Eles se encarregaram de assegurar que nada faltasse aos competidores.

 Os estudantes César Araguth Tanakai e Tatiana Durci atuaram como assistentes e auxiliaram o trabalho do prof. Francesco.
Os estudantes César Araguth Tanakai e Tatiana Durci atuaram como assistentes e auxiliaram o trabalho do prof. Francesco.

A profa. Thais Funcia, coordenadora da Internacionalização da Hotelaria, acompanhou a execução dos trabalhos. Na cozinha, observando o andamento dos pratos e o empenho dos alunos, Thais ressaltou que “é lindo vê-los atuar”. Do outro lado, fechado com os demais jurados, o cozinheiro Pasquale – que não se julga chef porque nunca fez cursos de gastronomia – fez uma previsão de sucesso para a série de concursos entre a Anhembi Morumbi e a Colavita: “A parceria está no rumo certo. É um concurso novo, que está apenas na terceira edição, mas que, daqui a alguns anos, terá em sua história grandes chefs que já passaram por ele. Logo, eles estarão em um júri como nós estamos hoje”.

Muitos pratos depois, a vitória

Não foi tarefa fácil para os jurados chegar a um resultado. Eles tiveram que provar 15 pratos e, em cada um deles, analisar originalidade, criatividade, organização de texturas, tempo de preparo, harmonia de sabor e apresentação. Por fim, chegaram um resultado: a dupla vencedora desta edição foi composta pelas alunas Eleonora Cardoso Soledade Sartori e Graziela Von Kossel.

 As alunas Eleonora Cardoso Soledade Sartori e Graziela Von Kossel, durante avaliação dos jurados.
As alunas Eleonora Cardoso Soledade Sartori e Graziela Von Kossel, durante avaliação dos jurados.

O design foi o tema das receitas da dupla vencedora. A gastronomia, assim como o design, lida diretamente com a criação. As estudantes passaram por períodos históricos para a elaboração dos pratos. Os arcos do Império Romano estão presentes na entrada de esponjas – pão embebido em azeites –; as cúpulas do Renascimento aparecem no prato principal, que remontam os elementos arquitetônicos da época; as curvas do design difundido no Pós-Segunda Guerra Mundial delineiam a sobremesa inspirada no designer de automóveis Giorgetto Giugiaro.

Os jurados se encantaram não apenas com a estética dos pratos, que remontam as formas das três épocas, mas a harmonia entre os sabores foi fundamental. “Para os italianos, o prato pode ser de uma beleza incrível, mas se não for saboroso, não é bom”, comentou o cozinheiro Pasquale. Assim, a dupla alcançou a média final 8,6 – a maior dentre as parcerias na semifinal – e sagrou-se vitoriosa.

 O cozinheiro Pasquale e os demais chefs não deixaram as atas nem mesmo durante a degustação dos pratos.
O cozinheiro Pasquale e os demais chefs não deixaram as atas nem mesmo durante a degustação dos pratos.

Eleonora aponta que a proatividade da dupla lhes garantiu a vitória. “Nós vínhamos nos preparando antes da abertura do concurso. Antes mesmo de divulgarem o lançamento desta edição, Grazi e eu pensamos em um tema para o trabalho e começamos a nos organizar”, afirmou. Por dia, as estudantes ficavam até duas horas testando as receitas – e o concurso nem estava aberto ainda. Assim, elas conseguiram um tempo a mais para aperfeiçoar as ideias.

As alunas foram premiadas com uma viagem às instalações da Colavita, em Molise, na Itália. Graziela aponta que, na viagem, pretende ver nas ruas aquilo que ela aprende em sala de aula. “Eu estou ansiosa para conhecer na realidade tudo aquilo que a gente estuda, para ver o respeito e o amor que a Itália tem para com a sua gastronomia”, diz.

 Além de primarem pelo sabor, as receitas vencedoras foram compostas sob aspectos do design.
Além de primarem pelo sabor, as receitas vencedoras foram compostas sob aspectos do design.

Um dos responsáveis pelo sucesso do concurso, o prof. Francesco Tridico aponta que os destaques desta edição foram o envolvimento dos alunos e o modelo de pesquisa interdisciplinar. “Como docente, percebo o desenvolvimento do conhecimento e a maturidade dos alunos; como colaborador, sinto que oferecemos vários impulsos na trajetória da educação”, diz.

O prof. Marcelo Neri, coordenador do curso de Gastronomia, observou um amadurecimento na terceira edição do concurso, “não apenas na organização e na escolha dos jurados, mas também nos trabalhos realizados pelos alunos, que estão mais profundos e harmoniosos”.

Para ele, a decisão dos membros do júri foi acertada, pois “as alunas – Graziela e Eleonora – apresentaram um trabalho acima da média, em que é possível perceber, além da qualidade inerente, uma preocupação muito grande em atingir a excelência”.