Espaço da Anhembi Morumbi no SPFW mexe com a mente e o corpo no quinto dia de evento

0h00

Acesse aqui o hotsite oficial da Anhembi Morumbi no SPFW – Verão 2010.

O quinto dia da São Paulo Fashion Week reservou ao lounge da Universidade Anhembi Morumbi atividades variadas, que contemplaram corpo e mente. Foram discussões sobre a paixão por conhecimento que mantém a todos da Instituição no caminho da excelência, um desfile majestoso e um bate-papo com Sakina M’Sa, um debate sobre produção musical na era digital, ações para despertar as sensações e um delicioso coquetel.

Intervenção-desfile produzido por Sakina, ONG Estrela Nova e alunos da Anhembi Morumbi
Intervenção-desfile produzido por Sakina, ONG Estrela Nova e alunos da Anhembi Morumbi

Mônica Moura, diretora da Escola de Artes, Arquitetura, Design e Moda, esteve a frente das conversas sobre Paixão por Conhecimento, que envolveram os professores Marcelo Flori e José Mineirini. Diante de uma plateia encantada com os revestimentos de cadeiras produzidos pelos alunos de Moda, eles falaram sobre as relações entre as artes, o ensino e a sociedade. De acordo com o prof. Mineirini, “não somos totalmente leigos em artes, pois a educação formal que tivemos a contempla de certa forma”. Para ele, todos nós temos um referencial em arte que nos acompanha pela vida. O prof. Flori complementa a ideia do colega e afirma que a arte não se restringe a si mesma. “A partir do século XX, com o pensamento de Edgar Morin, o conhecimento é visto como interdisciplinar, planetário”, no qual se inserem as artes.

A desconstrução da moda

Logo em seguida, ocorreu no primeiro andar da Bienal o desfile da estilista sul-africana radicada na França Sakina M’Sa. No Brasil há alguns dias, Sakina realizou um trabalho junto ao Movimento Comunitário Estrela Nova, no bairro de Campo Limpo, onde contou com o auxílio de dez costureiras locais na realização de peças expostas na SPFW. A estilista também ministrou workshops com alunos do curso de Moda na Universidade. O resultado das parcerias entre Sakina, Estrela Nova e Anhembi Morumbi foi mostrado nos trajes das modelos, que, sob o som de marcha militar, melodias afro-brasileiras e letras francesas, desfilaram toda a construção – ou melhor, a desconstrução – da artista.
 

As modelos desfilaram ao som dos alunos de Música Eletrônica
As modelos desfilaram ao som dos alunos de Música Eletrônica

Na coletiva de imprensa, após o desfile, Sakina falou sobre a desconstrução das peças. Primeiro, os alunos e as costureiras da comunidade criaram peças para, depois, cortá-las, emendá-las, refazê-las. Para a estilista, seu objetivo com a coleção foi a subversão, a desorganização. “Hoje nós podemos pensar em novas formas de fazer moda”, afirmou. Para alcançar este objetivo, diz Sakina, a participação de alunos “foi excepcional, pois eles amam moda, mesmo que ainda não sejam especialistas”.

Beleza para os olhos e música para os ouvidos
 
Alunos dos cursos de Visagismo e Terapia Capilar e Maquiagem Profissional foram responsáveis pelas rmações nos cabelos das modelos, bem como sua maquiagem. O trabalho dos estudantes ajudou a compor o visual que Sakina queria, e que tirou do público mais de 30 segundos de palmas.
 
Outro ponto forte do desfile de Sakina foi a trilha sonora, composta por alunos e professores de Produção Musical. Para os professores, foi um trabalho de encontros, de trocas, pois o trabalho de um criador é um laboratório e um lugar de experimentos. Para isso, os estudantes e docentes buscaram inspiração no surrealismo francês.
 
Aproveitando o tema trilha sonora, a palestra apresentada em seguida no lounge da Anhembi Morumbi falou sobre produção musical e envolveu a coordenadora de Produção Musical, profa. Marli Batista Ávila, os professores Giuliano Obici e Guilherme Maximiliano, além do músico Marco Antônio Bastos (Paçoca) e de Sergio Escamilla, que trabalha com projetos culturais.
 

O prefeito Gilberto Kassab marcou presença na Exposição Brasilópolis Jardim Paris, obra da estilista Sakina M
O prefeito Gilberto Kassab marcou presença na Exposição Brasilópolis Jardim Paris, obra da estilista Sakina M’Sa em parceria com a ONG Estrela Nova e a Anhembi Morumbi

Sergio apontou que, no cenário atual, um músico não pode trabalhar sozinho. “Um artista sem produtor não consegue levar sua carreira. Por isso, é preciso uma parceria entre ambos”, diz. Para incentivar a produção musical, ele mencionou os projetos oriundos de leis de incentivo como opções. Já o prof. Giuliano falou sobre a música na era de produção e divulgação on-line. “Nunca se fez e se consumiu tanta música como hoje”, afirmou. Isso se deve, segundo o docente, às tecnologias que permitem a troca de arquivos na internet. Um ponto-chave é a questão da autoria. “A indústria precisa pensar em como se adequar a esta nova realidade”, sugeriu. Para encerrar a conversa, Paçoca contou um pouco sobre  sua trajetória profissional e sua paixão por viola, apresentando três músicas para o público presente.

Mens sana in corpore sano
 
Em seguida, com a mente espairecida depois da boa música de Paçoca, foi a vez de o corpo relaxar. Alunas das Escolas de Ciências da Saúde receberam voluntários para uma série de ações, cujos objetivos eram o estímulo de sensações. Para os sentidos da visão e audição, o público assistiu a um vídeo com o tema Paixão; depois, eles receberam massagem para estimular o tato; por fim, muffins com gostos distintos – doces e picantes – foram oferecidos, para o olfato e paladar.

O estilista e coordenador de Design de Moda, Mário Queiroz, apreciou os quitutes produzidos pelos alunos de Gastronomia
O estilista e coordenador de Design de Moda, Mário Queiroz, apreciou os quitutes produzidos pelos alunos de Gastronomia

O dia terminou com um coquetel para colaboradores da Universidade e público convidado. Petiscos elaborados por alunos de Gastronomia foram servidos aos presentes, que chegavam ao fim do penúltimo dia da SPFW com gosto de ‘quero mais’.