Degustação de espumantes e chorinho marcam o último dia da SPFW

0h00

Acesse aqui o hotsite oficial da Anhembi Morumbi no SPFW – Verão 2010.

Passada uma semana de programação diversificada e muitas novidades boas, o lounge da Universidade Anhembi Morumbi se despediu da 29ª edição da São Paulo Fashion Week com muito estilo e bom gosto. Os visitantes puderam acompanhar uma palestra sobre alfabetização, a degustação de espumantes nacionais, a apresentação da revista Dobras e, por fim, um emocionante pocket show do talentoso trio de irmãs Choro das Três.

A paixão de Educar
Em um descontraído bate-papo, a professora de Letras da Universidade Anhembi Morumbi, Cláudia Kober, e a coordenadora do curso, profa. Suely Trevizam, falaram sobre os processos de alfabetização e a importância do educador na vida dos alunos.

 A profa. Suely Trevizam questionou os presentes quantos às recordações da formação escolar durante a infância
A profa. Suely Trevizam questionou os presentes quantos às recordações da formação escolar durante a infância

Para dar início, a profa. Suely perguntou aos presentes quem se recordava como aprendeu a ler e a escrever, como também da sua primeira professora. Apenas duas pessoas responderam positivamente. Segundo ela, isso acontece devido aos métodos educacionais que eram utilizados antigamente e já caiu em desuso atualmente. A antiga metodologia de cartilhas educacionais tornava o processo de aprendizagem maçante e, muitas vezes, desagradável para a criança.

 Após a palestra proferida, as professoras Cláudia Kober e Suely Trevizam aproveitaram para conhecer o lounge da Universidade
Após a palestra proferida, as professoras Cláudia Kober e Suely Trevizam aproveitaram para conhecer o lounge da Universidade

Atualmente, os professores adotam uma metodologia associativa das palavras aos objetos, tornando a aprendizagem mais divertida e, consequentemente, assertiva. A profa. Cláudia ressaltou ainda a necessidade de o professor ser um diferencial na vida do aluno e, assim, ser para sempre um mestre do qual o futuro adulto jamais se esquecerá. “Sempre afirmamos como é importante um educador fazer do ato de educar uma atividade gostosa e, dessa forma, seremos sempre lembrados com carinho pelos alunos”.

Experiências de um Sommelier
Apresentar as diferenças entre um champagne e um vinho espumante foi a proposta da participação do sommelier Manoel Beato e da professora do curso de Gastronomia, Paula Cabral, no lounge da Universidade.

 O sommelier Manoel Beato falou sobre as diferenças entre champagne e espumante
O sommelier Manoel Beato falou sobre as diferenças entre champagne e espumante

Com muito bom humor, o atual sommelier do grupo Fasano – pessoa responsável pelos serviços de vinhos em um restaurante – falou sobre a produção e os métodos de fermentações de um espumante. Ele frisou que tanto o champagne quanto os espumantes são vinhos, mas que se diferenciam dos demais por conterem gás carbônico, formando as famosas bolhinhas na bebida que causam cócegas no nariz aos serem degustadas.

 O lounge da Universidade ficou repleto de visitantes durante a degustação feita por Manoel Beato
O lounge da Universidade ficou repleto de visitantes durante a degustação feita por Manoel Beato

“O champagne é uma bebida específica que somente é confeccionada na região de Champagne, na França. Qualquer outra bebida semelhante feita fora dessa região será denominada espumante”, explicou. Manoel disse ainda que quanto mais borbulhas um espumante fizer, melhor é o seu sabor e qualidade.

 O sommelier Manoel Beato interagiu com as atrações do lounge
O sommelier Manoel Beato interagiu com as atrações do lounge

O profissional falou também sobre a importância da harmonização do vinho com a comida.  “É preciso levar em conta a textura e sabores da comida para servir um vinho de acompanhamento, pois a bebida deve estar em consonância com a refeição, para que um seja o complemento da degustação do outro”.

Dobras: uma revista diferente
Fruto do anseio das professoras da Universidade, Kátia Castilho e Tula Fyskatoris, nasceu a revista Dobras, definida como “uma revista de moda mas não só, acadêmica mas nem tanto”. Com o objetivo de reunir informações e novidades sobre Design e Moda por meio de relatos de profissionais da área, além da publicação de artigos acadêmicos dos alunos, as editoras da publicação buscam a cada nova edição assuntos interessantes entre a vastidão dos dois universos.

 A profa. Carol Garcia falou sobre a sua participação na nova edição da revista Dobras
A profa. Carol Garcia falou sobre a sua participação na nova edição da revista Dobras

Dentre os vários colaboradores, a professora do curso de Moda, Carol Garcia, ressaltou que a revista é o compartilhamento de um amor comum a todos que participam da sua confecção. “Eu sempre estou viajando a trabalho e, em uma dessas viagens ao México, descobri uma coisa interessantíssima. Lá, eles vendem cílios postiços para serem aplicados na imagem do menino Jesus. E não é só isso, eles vendem roupas e até revistas especializadas, que ensinam como produzir a sua imagem em casa. Eu fiz uma matéria para a nova edição da Dobras falando sobre isso”, destacou.

 A profa. Tula Fyskatoris apresentou a última revista publicada, que será lançada oficialmente dia 29 de junho
A profa. Tula Fyskatoris apresentou a última revista publicada, que será lançada oficialmente dia 29 de junho

Choro das Três
De Mozart a Tico-tico no Fubá. Assim foi o encerramento da programação do lounge da Anhembi Morumbi no maior evento de Moda da América Latina. O grupo instrumental Choro das Três, composto pelas irmãs Corina Meyer – flauta, Lia Meyer – violão – e Eliza Meyer – bandolim, ao lado do pai, Eduardo Ferreira – pandeiro –, emocionaram os visitantes que assistiram à apresentação.

 As irmãs que compõem o Choro das Três e o pai, Eduardo Ferreira, emocionaram com as belas execuções de chorinho
As irmãs que compõem o Choro das Três e o pai, Eduardo Ferreira, emocionaram com as belas execuções de chorinho

Tocando composições próprias e de grandes nomes do chorinho, o grupo mostrou boa música e muita alegria ao executar cada canção. Aluna do curso de Música Brasileira da Universidade, a flautista Corina Meyer falou sobre a história do gênero musical no País e a sua grande repercussão no exterior. “O choro nasceu na segunda metade do século XVIII e influenciou todos os estilos musicais que surgiram depois, inclusive o samba. Nós queremos difundir mais o choro no Brasil, pois fora daqui ele é muito respeitado e conhecido”.

 A aluna Corina Meyer falou sobre a história do choro no Brasil
A aluna Corina Meyer falou sobre a história do choro no Brasil

Dentre as músicas apresentadas, eles tocaram “Bolinha de Gude”, composição da irmã mais nova do trio que, quando era pequena queria jogar com os meninos na escola, mas os mesmos não permitiam. Assim, ela teve a ideia de se “vingar” fazendo algo que eles não poderiam imitá-la.

 A profa. Eloize Navalon junto com o grupo Choro das Três e Eduardo Ferreira
A profa. Eloize Navalon junto com o grupo Choro das Três e Eduardo Ferreira

Dentro do tema Paixão, o grupo tocou a canção Carinhoso, do compositor Pixinguinha, e para encerrar o pocket show, uma das músicas mais executadas no mundo: o famoso Tico-tico no Fubá, do Zequinha de Abreu.