Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária recebe gerente de operações da Reciclus

16h26

Se você é consumidor doméstico, já deve ter se deparado com a seguinte situação: o que fazer com as lâmpadas fluorescentes depois que elas queimam? Essas lâmpadas possuem componentes que demandam um fluxo específico na coleta e destinação final. Por isso, o descarte incorreto, como no lixo comum, pode acarretar diversos problemas ambientais.

Com o objetivo de apresentar a Reciclus, nova Entidade Gestora do processo de logística reversa do País, a Anhembi Morumbi convida os alunos de Engenharia Ambiental e Sanitária para um encontro no dia 04 de maio, às 19h30, no câmpus Vila Olímpia, sala 643.

A iniciativa atende à determinação da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), a Lei Federal nº 12.305/2010 que fala na responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e na logística reversa (LR) como soluções para o descarte correto de itens que podem causar danos ao meio ambiente. Participam do programa apenas as lâmpadas de uso doméstico, dos seguintes tipos: fluorescentes compactas e tubulares; de vapor de mercúrio, sódio ou metálico; e luz mista.

O projeto piloto implantado na cidade de São Paulo a partir de janeiro de 2017 já tem 7 pontos de coleta. A implantação dos pontos de coleta segue os critérios técnicos indicados no Acordo Setorial, como número de habitantes, área urbana, densidade populacional, domicílios com energia elétrica, poder aquisitivo, infraestrutura viária e acessibilidade. A expectativa para 2017 é abranger 33 municípios, que somam 33% das residências no Brasil. O foco serão as capitais, cidades com grande concentração populacional e energia elétrica instalada.