Curso de Administração promove terceira edição do Debate & Ação

0h00

Para encerrar o ciclo de debates sobre a Crise Financeira Global, o curso de Administração da Escola de Negócios da Universidade Anhembi Morumbi realizou, no dia 11 de maio, a terceira edição do evento Debate & Ação. O tema abordado foi As estratégias das empresas, e serviu como norte para discussões sobre os aspectos econômico-financeiros das corporações neste cenário de crise, bem como as questões mercadológicas e as estratégias empresariais e financeiras.

O debate foi composto pelos docentes da Universidade prof. MSc. José Carlos Polidoro, prof. MSc. Dennis Vincent Reade, prof. MSc. Flávio Lamoza e o prof. MSc. João Batista Fator. A mediadora, profa. MSc. Renata Alves Pinto, iniciou o evento relembrando alguns dados levantados desde a primeira edição do evento, em novembro de 2008, quando a crise estava incipiente em nosso País.

Ela ressaltou que a evasão de dinheiro e a queda da bolsa geraram um medo coletivo da crise, tendo como principal consequência a redução do consumo e de investimentos em médio prazo das empresas.

Diante desse panorama financeiro, a mediadora iniciou o debate levantando a questão da possibilidade da recuperação da economia após passados esses meses. Para o prof. Polidoro, que se baseou em dados de revistas especializadas, por enquanto é possível apenas analisar os impactos gerados pela redução de crédito e da demanda externos. “Alguns segmentos do mercado ainda estão sofrendo bastante os impactos da crise devido a esses dois fatores”, disse.

 O prof. Polidoro (esquerda) falou sobre a possível recuperação do mercado econômico e os impactos da crise gerados até então.
O prof. Polidoro (esquerda) falou sobre a possível recuperação do mercado econômico e os impactos da crise gerados até então.

Ele disse ainda que existem indicadores positivos de mercado, mas não é possível afirmar se isso é uma recuperação de fato ou apenas uma “bolhinha” que vai crescer e estourar, ou seja, uma especulação. Também ressaltou que, embora o Brasil tenha sentido e ainda sinta os impactos da crise, fomos menos afetados que os países mais ricos.

Dentre várias hipóteses e estudos suscitados, o prof. Dennis defendeu a ideia de que com a perda de demanda, a crise limita ou alavanca novas oportunidades no planejamento estratégico. Tudo depende de como as empresas estão ou não alicerçadas para sofrer os impactos. “As empresas que analisam diversos cenários não são pegas de surpresa por crises como essa e conseguem agir pró-ativamente. As crises são cíclicas e é preciso ter essa consciência em mente”, afirmou.

Para o coordenador do curso de Administração, prof. Ademar Orsi, o entendimento a respeito do assunto, a questão do emprego e as estratégias das empresas dentro da crise econômica, formam uma tríade importante para proporcionar a percepção ampla sobre o tema abordado. “Para enfrentarmos uma crise é necessário entender o que acontece para, então, desenvolver um ponto de vista crítico e analítico e, desta maneira, formar uma opinião própria para estabelecer estratégias pessoais e superá-la”.

A coordenação do curso comunicou que as próximas edições do evento acontecerão no campus Centro e trarão uma nova temática igualmente atual e relevante, cujo enfoque será na área de Administração.