Conheça a história do nosso docente Armando Bega #Perfil

9h37

Neste dia dos professores, vamos contar a história do Armando Bega, idealizador do curso de Podologia e autor das obras Podologia Básica; Tratado de Podologia; Feridas e Curativos em Podologia; Podologia Clínica e Bases Anatômicas; História da Podologia.

O docente também traduziu do espanhol o livro “O Pé do Jogador de Futebol”, e fez o prefácio da versão em Português. A publicação dessa obra em língua portuguesa foi feita em parceria com o autor, o podólogo Bernat Vazquez, podólogo do FC Barcelona por 28 temporadas. Olha que história bacana!

“No ano de 2003 eu fui convidado pela Universidade Anhembi Morumbi para organizar as práticas de um curso superior de curta duração, um curso sequencial, na área da Podologia, mas a universidade esclareceu que não tinha interesse em levar adiante o curso e que se eu aceitasse seria apenas para cumprir o contrato com 15 alunos que haviam ingressado no curso sequencial de Podologia, mas esse curso não estava nos planos da universidade e nem mesmo havia laboratórios para as práticas. Eu aceitei o desafio, fiz parceria com uma clínica de Podologia dentro de uma casa cirúrgica no bairro da Mooca, convidei os professores, fiz a grade, os planos de ensino e de aulas e conseguimos cumprir o desafio, recebendo inclusive a nota 5 do MEC.

No início do ano de 2007 eu liguei para a professora Andrea Biolcati, coordenadora do curso de Estética, e perguntei a ela se a universidade tinha interesse de lançar um curso de graduação em Podologia. Diga-se de passagem que desde 2004, com o final do curso sequencial, anualmente eu fazia essa mesma pergunta junto da ligação para desejar um feliz ano novo e até o ano de 2006 a resposta era que a universidade não tinha interesse em lançar uma graduação em Podologia. Mas, em 2007 a estória foi diferente e para minha alegria a resposta da professora Andrea foi que a Anhembi Morumbi estava trabalhando na organização de uma escola de saúde e vários cursos seriam lançados. Ela perguntou se eu gostaria de planejar e organizar o curso de graduação em Podologia, se eu aceitasse ela apresentaria a proposta para a direção. Não precisa nem perguntar se eu aceitei, porque obviamente a resposta foi “sim” e dessa forma durante o ano de 2007 tivemos muito trabalho, porque não só a universidade aceitou a proposta, como o conselho universitário assinou a resolução para a abertura do curso e o início das aulas para o primeiro semestre de 2008. Lembro perfeitamente de reuniões, dos meses, semanadas, dias e horas diante do computador, das noites de trabalho que se estendiam pela madrugada, inclusive foi quando conheci a professora Cristina Duarte que assessorava a professora Andrea na organização do curso de graduação em Estética, lembro de telefonemas às 3 horas da madrugada para alinharmos partes do projeto, a fim de que a professora Andrea apresentasse logo pela manhã nas reuniões da diretoria.

Sim, fui eu que orgulhosamente planejei, dei vida ao primeiro curso de graduação em Podologia do Brasil, fui eu que ajudei a montar os laboratórios, escrever o projeto pedagógico do curso de Podologia, contratar os docentes, ir para a sala de aula, para a teoria, prática e estágios. Convidei podólogos da Espanha, Portugal, Itália, Estados Unidos, Chile, Argentina, Peru, Uruguai e México para nos brindarem com aulas, palestras, com a estruturação da Podologia Esportiva, da Podoposturologia e da Biomecânica específica da Podologia, que chamamos de Ortopodologia. Fizemos viagens de intercâmbio para a Espanha e Portugal, além de uma viagem para o Chile, onde os nossos alunos ganharam um prêmio como melhor trabalho científico apresentado na Universidad Andres Bello. Mas eu sempre quis mais para a Podologia e em 2008, logo no início do curso, empreendi uma viagem do meu próprio bolso para me reunir com o coordenador do curso de Podologia da Universidad Europea de Madrid e nascia ali a dupla titulação em Podologia entre o Brasil e a Espanha.

Tenho participado, também, como consultor, “ad hoc”, para a regulamentação do exercício da profissão de podólogo no Brasil. Nesse sentido ajudei o deputado José Mentor (em memória, mais uma vítima da COVID) no trabalho de passar o projeto de lei 6042/05 pelas comissões temáticas da Câmara dos Deputados e depois no Senado, onde o projeto de lei recebeu o número 151/2015. Fui responsável por negociar a entrada da Podologia no Conselho Federal de Biomedicina, por orientação dos deputados e senadores, a fim de possibilitar a votação do nosso projeto de lei, que está pronto para votação no plenário do senado.

A minha história na Anhembi Morumbi começou entre 2002 e 2003, tendo durado um ano. Depois em 2007 trabalhei “ad hoc” até agosto, quando o CONSUN deliberou pelo início do curso de graduação em Podologia. Quando isso aconteceu já tínhamos pronto o projeto pedagógico e todo planejamento estrutural dos laboratórios. Em setembro de 2007 fui contratado temporariamente e em janeiro de 2008 meu contrato passou a ser definitivo pela CLT, como coordenador e professor do curso de Podologia. Exerci esses cargos até junho de 2018, quando fui desligado da instituição devido a reforma administrativa pela qual a Anhembi passava. Deixei um curso bem estruturado e com uma história para engrandecer a instituição e a profissão de podólogo. Tivemos a nota 5 do MEC em 2015, recebi elogio por parte dos inspetores do MEC, devidamente documentado no relatório final da visita. É claro que levei o curso e a instituição no meu coração, afinal uma história que começou em 2002, que vai fazer 20 anos, embora trabalhados sejam uns 15 anos, porque tivemos o hiato entre 2004 e 2007 e depois entre junho de 2018 e julho de 2020. Sim, porque em 2020 voltei, mais uma vez como temporário, primeiro para cobrir um afastamento, e em março de 2021 fui efetivado mais uma vez na UAM. Voltei com vontade de fazer esse curso continuar a ser respeitado, como sempre foi, como pioneiro e como o curso que muitas pessoas sonham em fazer, pois conhecem a nossa qualidade, pelo menos já ouviram falar, do curso de graduação em Podologia da Universidade Anhembi Morumbi.

Hoje existem várias instituições espalhadas pelo Brasil que oferecem o curso de graduação em Podologia, mas elas existem porque um dia sonhamos e acordamos trabalhando para transformar sonhos em realidade.

Eu atuo na Podologia desde o ano de 1988, comecei como pedicuro (calista), num curso com pouco mais de 400 horas de aula, em 2001 fiz um complemento técnico e depois fiz a graduação em Enfermagem, a especialização em Podiatria Clínica pela UNIFESP e o mestrado em Educação Física pela Universidade São Judas. Quando fiz a graduação em Enfermagem eu pensei: estou estudando Enfermagem porque não tem graduação em Podologia, pois vou trabalhar para que tenhamos um dia a graduação em Podologia para pessoas como eu, que amam a Podologia, não precisarem fazer graduação em outra área que não seja a Podologia.”

Nós temos muito orgulho de ter você com a gente, professor!