Confira o artigo da profa. Ariadne Fonseca, coordenadora do curso de Enfermagem

0h00

Tempo médio para o atendimento do cliente em um departamento de emergência de um hospital privado. Esse foi o tema do artigo desenvolvido em parceria entre a profa. Ariadne Fonseca, coordenadora do curso de enfermagem e Vânia Domiciano, enfermeira-chefe do departamento de Emergência do Hospital São Camilo Pompéia.

A idéia da produção do artigo surgiu depois de uma das autoras observar que os clientes estão cada vez mais críticos em relação aos serviços, formulando maiores expectativas de qualidade. E também após comprovação de que a procura pelo setor de emergência dos hospitais têm crescido consideravelmente, uma vez que ele oferece agilidade e menos burocracia, características opostas às das consultas agendadas.

Essa distorção na utilização do sistema tem gerado problemas nesses serviços que encontram-se lotados e com dificuldades de garantir um atendimento de qualidade aos usuários. Essa demora nos picos de atendimento, afeta pessoas que realmente necessitam de atendimento médico, levando, muitas vezes, à evasão sem atendimento.

Sendo assim, tornou-se necessária a realização desse estudo, que utilizou uma pesquisa exploratória descritiva com abordagem quantitativa. Durante o período de julho a agosto de 2005, 76 clientes que deram entrada no departamento de emergência de um hospital privado no município de São Paulo foram acompanhados. Os resultados apontaram que a média do tempo de espera dessas pessoas foi de 134 minutos. Assim sendo, concluiu-se que o tempo e a qualidade do atendimento podem ser melhorados se algumas medidas forem adotadas, tais quais: a designação de um técnico de enfermagem na pré-triagem (recepção); adequação do instrumento de triagem do enfermeiro; maior interação entre as equipes; maior comprometimento de serviços terceirizados; ampliação da sala de procedimentos e conscientização dos profissionais e clientes, com relação à real atividade realizada pelo serviço de emergência.

Para ler esse artigo na íntegra, clique aqui.