Aluno de Jornalismo conquista prêmio nacional

0h00

O documentário Bulindo no Formigueiro, produzido, roteirizado e dirigido pelo aluno de Jornalismo Janderson Angelim, foi premiado na XIV Conferência Brasileira de Folkcomunicação, considerado um dos mais importantes eventos nacionais da área de Comunicação e referência para a apresentação de trabalhos acadêmicos direcionados à produção científica.

Premiado na categoria “Mostra de vídeo sobre o tema da conferência” – em que concorriam produções de estudantes, profissionais, professores e amadores de todo o País –, o filme conta a história de Dinho Nascimento, reconhecido atualmente como um dos maiores artistas populares do Brasil.

O curta-metragem desenha, em 12 minutos, um mosaico do artista a partir de relatos de músicos como Oswaldinho da Cuíca e Nasi (ex-integrante da banda Ira), de pesquisadores da cultura popular brasileira como o Mestre Tião Carvalho, além de Mestres de Capoeira, luthiers, alunos, familiares e parceiros musicais.

 Janderson Angelim
Janderson Angelim

 

A orientadora de Janderson, profa. Eliane Fátima Corti Basso, conta que talento e criatividade não faltaram na hora de gravar, roteirizar e editar o documentário. “O trabalho sério de pesquisa de campo, visitando várias vezes o morro do Querosene, ainda antes do início das gravações, deu a Janderson a credibilidade necessária para que não só o artista, mas também a família, amigos, pesquisadores e músicos colaborassem para a realização do documentário. Uma ampla pesquisa de dados e materiais de arquivo (fotos e vídeos do artista) ajudaram no processo de pesquisa e planejamento do trabalho”, comenta.

Para Janderson, a premiação tem grande importância. “Ela agrega um valor muito grande tanto para o currículo acadêmico quanto para o de um futuro profissional da área de Comunicação. Penso que o prêmio é também uma motivação para explorar mais a produção de conteúdos e ousar conquistas maiores”, ressalta.

Sobre Dinho Nascimento
Baiano de Santo Amaro da Purificação, Dinho Nascimento vive em São Paulo há 30 anos e tornou-se referência não só pelo trabalho artístico, mas também pela articulação social que realiza no Morro do Querosene, comunidade localizada no bairro do Butantã, em São Paulo.

Mestre Dinho ficou conhecido internacionalmente ao lançar o disco Berimbau Blues e vencer o Prêmio Sharp de Música com essa obra. Ao mesclar o toque do berimbau e a percussão afro-brasileira com o Blues americano, chamou a atenção de críticos e músicos de todo o mundo e, ao mesmo tempo, “buliu no formigueiro” das tradições ancestrais de mestres brasileiros.

Desde esse tempo, Dinho continuou a acompanhar artistas como Pena Branca e Xavantinho, Renato Teixeira, Arrigo Barnabé, Gigante Brasil,  Nasi, entre outros. O artista também lançou seus próprios trabalhos como compositor e criou a Orquestra de Berimbaus em 2009, a qual rege atualmente.

Para a realização do documentário, Janderson contou com o apoio na gravação e edição de imagens de Fábio Massa, Filipe Augusto e Fábio Bardella.

Em etapas do processo de elaboração, produção e decupagens, participaram os alunos: Fernanda Veronezi, Jéssica Esteves, Daniella Godoy, Ana Tamasevicius, Amanda Sanches, Nathan Laurino e Veridiana Lutti.