ERRBA 3 conquista 1º lugar na Maratona da Eficiência Energética 2008

0h00

Já considerado o segundo melhor evento do gênero no mundo, a quinta edição da Maratona Universitária da Eficiência Energética reuniu 14 escolas de engenharia e design de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, que colocaram na pista 29 carros de alta economia energética.

Desde 2004, a Maratona é realizada com o propósito de estimular o desenvolvimento de motores automotivos com baixo consumo, tanto a combustão como movidos por eletricidade. Neste ano, a disputa aconteceu entre os dias 24 e 26 de julho no Kartódromo de Interlagos, com 15 protótipos a gasolina e 14 elétricos.

Ricardo Casemiro Anthero, piloto do Errba 3 - protótipo a gasolina.
Ricardo Casemiro Anthero, piloto do Errba 3 – protótipo a gasolina.

A Universidade Anhembi Morumbi colocou à prova dois carros: o Errba 3, protótipo a gasolina, e o Errbatronic 2, na categoria de carros elétricos. O objetivo inicial na competição era superar a marca alcançada pelo Errbatronic 1 em 2007, que conquistou o 2º lugar na Maratona no quesito economia, com o consumo de 18,55 Km/bateria. Na primeira participação da equipe de Engenharia da Anhembi Morumbi, em 2006, o estreante Errba 1 (gasolina) já entrara no pódio, conquistando o 3º lugar. Assim, a Anhembi Morumbi veio preparada para se manter pela terceira vez consecutiva entre as melhores Escolas de Engenharia do País.

Errbatronic 2 na pista. O protótipo elétrico ficou  4 kg mais leve do que no ano passado, passando a ser chamado pela equipe de <STRONG>Errbatronic Light</STRONG>.’ title=’Errbatronic 2 na pista. O protótipo elétrico ficou  4 kg mais leve do que no ano passado, passando a ser chamado pela equipe de <STRONG>Errbatronic Light</STRONG>.’ border=0>            </td>
</tr>
<tr>
<td align=center><font size="1">Errbatronic 2 na pista. O protótipo elétrico ficou  4 kg mais leve do que no ano passado, passando a ser chamado pela equipe de <strong>Errbatronic Light</strong>.</font></td>
</tr>
</table>
<p> <strong>A prova<br /> </strong>Para esta disputa, ser mais rápido não vale nada. O desafio é consumir a menor quantidade de energia possível nas duas categorias. Para isso, as equipes têm três tentativas para provar a eficiência de seus projetos. A melhor <em>performance</em> de três é a que entra no <em>ranking</em>. Entre uma tentativa e outra, as equipes podem fazer ajustes e reparos nos boxes. Na categoria a combustão, a regra é dar 12 voltas a uma velocidade média de 24 Km/h. Na categoria elétrica, os protótipos devem permanecer na pista até que a bateria acabe.<br />    </p>
<table cellpadding=2 cellspacing=0 align=center>
<tr>
<td align=center>              <img src=
Equipe da Anhembi Morumbi faz ajustes no Errbatronic 2 antes da largada para a segunda tentativa.

Preparativos
Desde janeiro, a equipe de Engenharia da Anhembi Morumbi se prepara incessantemente para desenvolver e aprimorar os dois carros. A equipe multidisciplinar reúne dois professores e mais doze estudantes dos cursos de Engenharia Elétrica, Engenharia de Produção e de Aviação Civil.

Segundo o coordenador do curso de Engenharia da Produção, Prof. Carlos Roberto Carneiro – mais conhecido como Carlão –, a preparação para a competição deste ano envolveu três pesquisas. “A primeira diz respeito ao aprimoramento do motor a gasolina, que está com uma cilindrada menor, o que resulta em menor consumo. A segunda se refere às mudanças realizadas no sistema de transmissão, colocado ano passado no Errbatronic, pois percebemos que, se nós colocássemos o eixo do motor com um pião direto na roda, teríamos um sistema de transmissão pronto. E foi exatamente isso que garantiu o nosso 2º lugar em 2007. Hoje, esta estrutura já está inserida em carros de outras equipes. Já a terceira pesquisa é um novo motor que estamos desenvolvendo, mas é surpresa, e fica para o ano que vem”, explica o professor.

O grande dia
Os dois carros da Anhembi Morumbi, em forma de gota envolvendo o piloto, foram estruturados com fibra de vidro e, diferentemente dos protótipos concorrentes, não têm chassi (estrutura de aço sobre a qual se monta toda a carroçaria de veículo motorizado). Como um caiaque, o Errba 3 e Errbatronic 2 têm menos peso e, por isso, consomem menos energia.

Deixando para trás importantes universidades estaduais e federais, o Errbatronic 2 ficou em segundo lugar na 2ª tentativa da prova, percorrendo 26 voltas, em aproximadamente duas horas de percurso. Na classificação final, o protótipo elétrico conquistou o 5º lugar. Já o Errba 3 deu um show de eficiência em Interlagos: conquistou o 1º lugar com a marca de 343,17 km/ litro.

Para o piloto do Errba 3, Ricardo Casemiro Anthero, que participa pela terceira vez consecutiva da Maratona, a marca será lembrada pelo resto da vida: “Estou no último ano do curso de Engenharia de Produção e o primeiro lugar será o meu encerramento no projeto. Desde a minha primeira participação, ganhei muito conhecimento, desenvolvi habilidades e aprendi a trabalhar em equipe. Ano passado, tivemos dificuldades com o Errba 2, mas não desistimos. Superamos a dificuldade e conquistamos o 1º lugar na prova”, felicita-se o aluno.

 Equipe da Anhembi Morumbi recebe a premiação pelo 1º lugar do Errba 3 na Maratona da Eficiência Energética 2008.
Equipe da Anhembi Morumbi recebe a premiação pelo 1º lugar do Errba 3 na Maratona da Eficiência Energética 2008.

A premiação aconteceu em ritmo de festa, ao som da música-tema de Ayrton Senna. As universidades com as três melhores marcas nas duas categorias receberam um veículo da Fiat e motores da FTP, para uso didático. Emocionado, o Prof. Carlão deixou uma mensagem para a equipe e todos os alunos da Universidade: “Nós somos uma grande universidade. Temos muito que caminhar e conquistar, mas acredito que nossos alunos e professores têm toda a capacidade de chegar lá”.

Confira a ficha técnica da equipe do Errba 3 e Errbatronic 2.