Apresentação

A Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Universidade Anhembi Morumbi é responsável por articular e coordenar a avaliação interna da Instituição, também conhecida como autoavaliação institucional, observando as diferentes dimensões do universo acadêmico. Para isso, a comissão é formada por diferentes membros, representantes dos vários segmentos da comunidade acadêmica e da sociedade civil organizada.

Na Universidade Anhembi Morumbi, a principal ferramenta de autoavaliação é o ISED (Índice de Satisfação do Estudante e Docente), em que todos os membros da comunidade são convidados a participar do processo avaliativo. Seu principal objetivo é promover a Melhoria da Qualidade Acadêmica em todos os níveis:

  • Infraestrutura em geral – como laboratórios, salas de aula, equipamentos e serviços;
  • Gestão – como centrais de atendimento ao aluno, setor financeiro e contact center;
  • Acadêmico – como professores, estágios, iniciação científica e demais atividades de ensino e aprendizagem;
  • Ensino a distância – webconferências, revisão de conteúdos, agilidade nas respostas, navegabilidade na plataforma AVA etc.

Os processos de avaliação conduzidos pela CPA subsidiam o credenciamento e recredenciamento da Instituição junto ao MEC, bem como o reconhecimento e a renovação de reconhecimento dos cursos de graduação e pós-graduação oferecidos nas modalidades presenciais e a distância.

Os dados quantitativos e qualitativos gerados durante a aplicação da autoavaliação (ISED) são minuciosamente analisados, tabulados e apresentados para os diretores, gestores e reitores. A partir disto, são gerados indicadores que orientam o planejamento e a implantação de ações de melhorias na Instituição.

Neste portal, você poderá obter informações relacionadas à Comissão Própria de Avaliação, suas ações e assuntos relacionados. Caso tenha dúvidas, críticas ou sugestões, entre em contato pelo Fale Conosco.

Seja bem-vindo!

Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Desde a implantação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes), pelo Ministério da Educação, por meio da Lei 10.861, de 14 de abril de 2004, a Universidade Anhembi Morumbi instituiu a Comissão Própria de Avaliação (CPA), cuja função é promover a autoavaliação institucional considerando, obrigatoriamente, cinco eixos:

  • Eixo 1 – Planejamento e Avaliação Institucional
  • Eixo 2 –Desenvolvimento Institucional
  • Eixo 3 –Políticas Acadêmicas
  • Eixo 4 –Políticas de Gestão
  • Eixo 5 – Infraestrutura

A CPA da Universidade Anhembi Morumbi utiliza como principal ferramenta de autoavaliação o ISED – Índice de Satisfação do Estudante e Docente, que tem o objetivo de identificar as condições do ensino, da pesquisa, da extensão e da gestão, suas potencialidades e fragilidades. Desta forma, a CPA tem como função coordenar e articular o processo de autoavaliação nos seis câmpus da Instituição que são: Mooca, Vila Olímpia, Morumbi, Paulista 1, Paulista 2 e Vale do Anhangabaú, além de avaliar o ensino a distância (EAD) e a pós-graduação. É também responsabilidade da CPA fortalecer as ações de responsabilidade social da instituição, bem como promover os valores democráticos, o respeito à diversidade, a busca da autonomia e a afirmação da identidade institucional.

Como a CPA atua com autonomia em relação a conselhos e demais órgãos colegiados e administrativos existentes na Anhembi Morumbi, além da função de autoavaliar, também deve analisar, comparar, questionar, criticar e propor estratégias de melhoria em uma perspectiva qualitativa educacional, científica e social, levando em conta os aspectos técnico, político, cultural, social e ético da Instituição.

São funções da CPA:

  • Realizar a avaliação institucional com toda a comunidade acadêmica;
  • Organizar e analisar os resultados da avaliação institucional;
  • Divulgar os resultados;
  • Acompanhar a implantação de ações de melhoria da qualidade;
  • Auxiliar e orientar o planejamento institucional.

Também, de acordo com a Lei nº 10.861/2004, a CPA tem a atribuição de conduzir os processos de avaliação internos da Instituição, bem como sistematizar e prestar as informações solicitadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) por meio de relatórios anuais.

A constituição da CPA obedecerá às seguintes diretrizes:

I – Constituição por ato do dirigente máximo da instituição de ensino superior, ou por previsão no seu próprio estatuto ou regimento, assegurada a participação de todos os segmentos da comunidade universitária e da sociedade civil organizada, e vedada a composição que privilegie a maioria absoluta de um dos segmentos;

II – Atuação autônoma em relação a conselhos e demais órgãos colegiados existentes na instituição de educação superior.

Conheça aqui os membros da Comissão Própria de Avaliação (CPA).

Legislação

Uma série de leis foram criadas pelo Ministério da Educação (MEC) para normatizar e organizar os processos de avaliação realizados nas Instituições de Ensino Superior (IES).

Dentre elas estão a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) e o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE).

Atualmente, o SINAES é a principal ferramenta de avaliação superior desenvolvida pelo MEC – Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004 –, sendo formado por três componentes principais: a avaliação das instituições, dos cursos e do desempenho dos estudantes. Seu objetivo é avaliar todos os aspectos que gravitam em torno desses três eixos, como ensino, pesquisa, extensão, responsabilidade social, desempenho dos alunos, gestão da instituição, corpo docente e instalações.

O ENADE é um instrumento do SINAES e um componente curricular obrigatório dos cursos de graduação. Seu desígnio é aferir o rendimento dos alunos dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos, suas habilidades e competências.

Caso deseje conhecer o texto integral de algumas leis importantes do sistema educacional, clique nos links abaixo:

 

Avaliação Institucional – ISED

O Índice de Satisfação do Estudante e Docente (ISED) é um importante instrumento de gestão educacional, implantado pela Reitoria como parte integrante do Programa de Melhoria da Qualidade da Universidade Anhembi Morumbi. O ISED foi concebido para avaliar todas as dimensões envolvidas na educação superior, que compreendem ensino, pesquisa, extensão e gestão acadêmica/administrativa na graduação e pós-graduação nas modalidades de ensino presencial e a distância. Dentro de um contexto geral, esta ferramenta de gestão da qualidade engloba analisar a atividade acadêmica, a gestão e a infraestrutura da Universidade.

São avaliados os cursos presenciais e de educação a distância de graduação, tecnólogos e de pós-graduação em todos os câmpus da Instituição. O programa é executado com foco nos recursos humanos, na infraestrutura e baseando-se no olhar responsável e compromissado do estudante a respeito de todos os aspectos acadêmicos da Universidade, somado à autoavaliação dos professores e dos coordenadores de cursos.

O ISED é realizado pelo aluno de maneira voluntária e sigilosa, nos laboratórios de informática, em horários de aula ou on-line, conforme cronograma a ser divulgado no período. A amostragem mínima é de 30 alunos por turma – emitida aleatoriamente pelo sistema –, sendo que, na ocorrência de turma com menos de 30 (trinta) alunos, todos devem responder aos quesitos. No ensino a distância, os alunos, professores e tutores respondem ao ISED de forma on-line ou presencial no momento de avaliação da aprendizagem.

É importante frisar que os estudantes são convidados, e não convocados, a participar da avaliação. Se houver recusa(s), cabe ao professor convidar outro(s) aluno(s) para que o número mínimo (30) seja mantido. Por isso, a participação de cada um é valiosa e essencial.

Após cada etapa da avaliação, os resultados são analisados pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) de maneira detalhada e convertidos em gráficos-tabelas, gerando indicadores que são avaliados em conjunto com a Diretoria de Qualidade e Regulação Acadêmica, coordenadores, Desenvolvimento Pedagógico (DEPED), Pró-reitoria Acadêmica e Reitoria, com total transparência. Estes resultados são transformados em indicadores que são utilizados no planejamento de ações de melhorias acadêmicas e administrativas

Os quesitos professores, profissionais dos diferentes departamentos e serviços, nas modalidades presenciais e educação a distância, avaliados com conceitos não-satisfatórios, ou seja, índice de satisfação inferior a 70%, devem elaborar os Planos de Melhorias (PMs), que são encaminhados a cada gestor, coordenador, diretor, pró-reitor e reitoria, pela Diretoria de Qualidade e Regulação Acadêmica e acompanhados durante o semestre, visando uma melhor performance na próxima avaliação. Conforme já mencionado, o objetivo dos Planos de Melhorias é auxiliar os gestores a preservar e aprimorar a qualidade de ensino da Universidade Anhembi Morumbi.

Diferente dos objetivos de avaliação de conteúdo das disciplinas, neste tipo de avaliação o foco é produzir mudanças nas atitudes, valores e comportamentos, visando criar a cultura da Qualidade.

Para conhecer os resultados parciais do ISED, referente ao ano de 2016, e as principais melhorias realizadas, clique aqui.

Abaixo estão disponíveis para acesso os resultados do ISED nos relatórios anuais da CPA, clique no ano desejado:

 

ENADE

Como parte integrante do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE) é realizado por amostragem e tem o objetivo de avaliar o rendimento dos alunos dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos, suas habilidades e competências.

A participação no Exame consta no histórico escolar do estudante ou, quando é o caso, sua dispensa pelo Ministério da Educação (MEC). A seleção dos participantes é feita pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais e pelo MEC a partir da inscrição, na própria instituição de ensino superior, dos alunos habilitados a fazer a prova.

Devem se inscrever para o ENADE os estudantes do primeiro e último anos de cada curso superior. O Exame prevê uma avaliação por amostragem por meio de sorteio dos inscritos. Nesse caso, apenas os alunos que forem sorteados terão a obrigatoriedade de comparecer ao exame sob pena de não receber o diploma. Dessa forma, os cursos passam a ser avaliados a cada três anos.

Fale conosco